Home » Cultura

Humanidades para todos

Publicado por admin - Sunday, 14 October 2012

INTERNET

Centro de estudos da Faculdade de Educação da USP comemora 15 anos de publicações eletrônicas, que permitiram acesso a textos inéditos de grandes pensadores – como Julián Marías e Josef Pieper – e ao conhecimento gerado nas universidades do País

ROBERTO C. G. CASTRO

Duzentas edições de revistas científicas disponibilizadas gratuitamente na internet, que incluem textos inéditos e exclusivos de três dos maiores filósofos do século 20 – o alemão Josef Pieper (1904-1997) e os espanhóis Julián Marías (1914-2005) e Alfonso López Quintás (1928). Esse é um dos resultados das atividades editoriais do Centro de Estudos Medievais Oriente & Ocidente (Cemoroc) da Faculdade de Educação da USP, que acabam de completar 15 anos.
Entre os textos já publicados – e disponíveis no endereço www.hottopos.com – está a série de dez conferências dadas por Julián Marías, entre 1999 e 2000, em Madrid, intitulada Los Estilos de la Filosofía. Nela, o filósofo espanhol discorre sobre pensadores como Parmênides, Heráclito, Aristóteles, Santo Agostinho, Kant e Nietzsche, entre outros. Os textos foram publicados com exclusividade no Brasil, logo após a apresentação das conferências.
De Pieper – que nos últimos anos de vida autorizou pessoalmente o Cemoroc a traduzir e publicar seus textos –, estão disponíveis obras que revelam aspectos fundamentais de seu pensamento. Entre eles, Luz inabarcável: o elemento negativo no pensamento de Tomás de Aquino e Abertura para o todo: a chance da universidade. Ao lado de Martin Heidegger (1889-1976), Pieper é o principal pensador alemão do século 20, com obras publicadas em 18 línguas e 24 países.
Para comemorar os 15 anos de publicações e o número 200 de suas revistas, o Cemoroc lançou neste mês uma nova edição da International Studies on Law and Education, um de seus oito periódicos eletrônicos. A edição traz artigos do filólogo espanhol Pere Villalba – um dos maiores especialistas em letras clássicas da atualidade –, do jurista português Paulo Ferreira da Cunha e dos professores da USP Roseli Fischmann, Aida Hanania, Sylvio Horta, Pedro Ghirardi, Silvia Colello e Maria de La Concepción Valverde, todos colaboradores do Cemoroc.

Páginas do Cemoroc na internet: acesso a textos de grandes pensadores do século 20

“Três tenores” – O Cemoroc não publica apenas textos dos “três tenores”, como os membros daquele centro de estudos chamam Pieper, Marías e Quintás. Através das revistas eletrônicas, especialistas de várias universidades do Brasil e do exterior – de diferentes áreas do conhecimento – têm a oportunidade de divulgar sua produção científica.
Graças a essa colaboração, as revistas eletrônicas do Cemoroc ganharam um aspecto multidisciplinar, com ênfase em educação, filosofia, estudos orientais, Idade Média e linguagem. No total, assinaram artigos até agora cerca de 600 autores, que publicaram textos em 12 línguas: português, espanhol, inglês, francês, italiano, catalão, alemão, chinês, árabe, latim, coreano e japonês.
Além da International Studies on Law and Education, outras revistas do Cemoroc são a Notandum, a Revista Internacional d’Humanitats, a Collatio e a Convenit Internacional, todas com o mesmo perfil humanístico e interdisciplinar. A Universidade do Porto, em Portugal, e a Universidade Autònoma de Barcelona são parceiras do Cemoroc nesse projeto.

Inovação – “O Cemoroc teve um papel inovador e pioneiro com a oferta de periódicos científicos na internet quando a comunidade científica mundial ainda debatia os ganhos e os riscos (como se via então) desse tipo de iniciativa.” É o que afirma a professora Roseli Fischmann, da Faculdade de Educação da USP e da Universidade Metodista de São Paulo (Umesp), em artigo que assina na edição comemorativa dos 15 anos de publicações do Cemoroc. Ela destaca ainda o fato de que a iniciativa deu a pesquisadores de todo o País uma ótima oportunidade para publicar suas pesquisas e ainda democratizou o acesso do público ao conhecimento gerado nas universidades. “Isso ampliou o alcance e o impacto dos periódicos, que podem, então, melhor cumprir o papel da ciência, bem comum que se destina a todos e todas.”
Em artigo na mesma edição comemorativa, o presidente do Cemoroc, Jean Lauand – professor aposentado da Faculdade de Educação da USP e docente da Umesp –, lembra o início do trabalho de edição dos periódicos. “O ano de 1997, em que lançamos nossas primeiras revistas também em versão eletrônica, não é casual: foi então que o trabalho de webmaster se tornou viável e a internet estava começando seu boom comercial entre nós”, escreve Lauand. “Naturalmente, não havia no Brasil muitas revistas eletrônicas e muitos professores de ciências humanas ainda relutavam em operar por si mesmos um simples editor de textos.”

Jean Lauand: desde 1997, 200 volumes de revistas científicas publicados

Ele ressalta a importância, para o sucesso da iniciativa, do professor Sylvio Horta, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, até hoje um dos editores das publicações. “Ele possui um domínio incomparável das tecnologias de internet, qualidade rara em professores de humanas, e isso foi e é fundamental para o nosso trabalho.”
O Cemoroc – através de seu braço editorial, a Editora Mandruvá – também publica livros e organiza seminários internacionais. No seu endereço eletrônico, além das revistas, encontram-se as seções “Temas medievais”, “Cultura árabe, chinesa e oriental” e “Humor e Reflexão”, esta voltada para a análise de piadas provenientes de diferentes culturas. A seção “Signatures” traz textos de pensadores do Brasil e do exterior.

As revistas eletrônicas do Centro de Estudos Medievais Oriente & Ocidente (Cemoroc) da Faculdade de Educação da USP podem ser acessadas gratuitamente no endereço www.hottopos.com.