Home » 1001 (10 a 16.06.2013), Editorial, Opinião

História preservada

Publicado por admin - Monday, 17 June 2013

A preservação da história é de fundamental importância para que a sociedade corrija seus caminhos, evite erros cometidos no passado e fortaleça a democracia. No caso da história recente do Brasil, é necessário expor publicamente os fatos ocorridos durante a ditadura militar (1964-1985), a fim de que as violações ocorridas naquele período jamais voltem a acontecer.
Contribui efetivamente para esses nobres objetivos a coleção de livros que a Editora Com-Arte, do Departamento de Editoração da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, lança nesta quinta-feira, dia 13, durante evento no Departamento de História da FFLCH, como informa matéria publicada nas páginas centrais desta edição do Jornal da USP. Intitulada Memória Militante, a coleção tem o objetivo de publicar textos de professores da USP que foram perseguidos durante o regime militar. Os volumes de estreia são A surda, de Wilson do Nascimento Barbosa, Conversa entre amigos, de Catullo Branco, e Militante por uma utopia, de Paul Singer.
Trata-se, como afirma o professor da ECA Plinio Martins, de uma iniciativa que surge no contexto de recuperação de memórias políticas da história do Brasil, “num momento em que se fala de Comissão da Verdade e em que a sociedade busca conhecer mais do seu passado”.
É isso o que faz a coleção Memória Militante. Através dela, lança-se mais luz sobre um período obscuro da história brasileira, em que as violações dos direitos civis – com a prática da tortura, do sequestro e da censura, por exemplo – eram corriqueiras. Violações que, graças a iniciativas como o lançamento dessa coleção, não são mais toleradas pela sociedade.