Home » 1031 (05 a 11.05.2014), Comunidade

Compromisso com a justiça social

Publicado por admin - Monday, 5 May 2014

Elza Berquó recebe o título de Professora Emérita da Faculdade de Saúde Pública: história de dedicação ao ensino, à pesquisa e à sociedade

Aos 90 anos, Elza Berquó – uma das maiores especialistas em demografia do Brasil – recebe o título de Professora Emérita da Faculdade de Saúde Pública da USP

IZABEL LEÃO

A Congregação da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP aprovou por unanimidade a entrega do título de Professora Emérita da instituição à professora Elza Salvatori Berquó, hoje com 90 anos, realizada em cerimônia no dia 24 de abril, na FSP. “Além do simbolismo por sua trajetória política e pública, a outorga do título faz um resgate da importância histórica da produção científica e acadêmica desta renomada pesquisadora, não apenas para a Faculdade de Saúde Pública da USP, mas para a área da demografia e a saúde pública do nosso país”, declarou o diretor da FSP, professor Victor Wünsch Filho, durante a cerimônia.
Comovida com a homenagem, a professora disse que o título, além de ser “um enorme reconhecimento” ao mérito da sua carreira de pesquisadora, também promove um retorno afetivo à casa de onde seu coração nunca saiu. “Este reencontro com esta escola me leva de volta aos meus sonhos de juventude e ao tempo em que vi entrar pelos anos minha maturidade.”

Cebrap – A demógrafa e estatística Elza Berquó, pioneira nos estudos em saúde e direitos reprodutivos, foi aposentada compulsoriamente pelo Ato Institucional número 5, imposto pelo governo militar no final de 1968, quando era professora da FSP. No ano seguinte, ao lado de Fernando Henrique Cardoso, ajudou a fundar o Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap).
Elza liderou a criação do Núcleo de Estudos de População (Nepo) da Universidade de Campinas (Unicamp), em 1982, e da Associação Brasileira de Estudos Populacionais (Abep), em 1976, e é membro do conselho técnico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do conselho consultivo do Censo Demográfico de 2010. Sua participação em estudos populacionais no Brasil contribuiu para abrir novos enfoques e paradigmas na demografia. Conduziu projetos de pesquisa sobre problemas de saúde pública de grande atualidade – entre eles, a Aids –, que forneceram subsídios para a fundamentação de políticas públicas na área de saúde.
Entre os estudos que coordenou nas últimas décadas destacam-se a Pesquisa Nacional sobre Reprodução Humana, realizada em 1973, o Estudo Multicêntrico da Morbi-Mortalidade Feminina no Brasil, entre 1995 e 1999, a Pesquisa sobre Saúde Reprodutiva da Mulher Negra, entre 1991 e 1993, e o Programa de Pesquisadoras Negras, entre 1994 e 1996. Outros trabalhos importantes foram a pesquisa sobre Comportamento Sexual da População Brasileira e Percepções do HIV/Aids, edições de 1998 e 2005, e a Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher 2006. Ainda em atividade no Cebrap, Elza coordena a pesquisa Cenários da Reprodução no Brasil, financiada pelo CNPq.
“Esta escola foi a forja onde, através do trabalho cotidiano da ciência voltada ao bem comum, floresceu em mim o compromisso com a justiça social, que se constitui até hoje na maior riqueza do meu espírito”, observou Elza Salvatori Berquó ao receber o título de Professora Emérita.