Home » 1080 (21 a 27.09.2015), Comunidade

Ideias e produtos para o mercado

Publicado por andremcdg@gmail.com - Monday, 21 September 2015

Com 22 cursos e cerca de 930 alunos, mestrado profissional na USP contribui para a atualização profissional e o fortalecimento do setor produtivo no Brasil

IZABEL LEÃO

A grande demanda por profissionais qualificados para o mercado de trabalho brasileiro foi um incentivo para que a Pró-Reitoria de Pós-Graduação da USP criasse, nos últimos anos, vários cursos de mestrado profissional. Atualmente a Universidade conta com 22 cursos dessa modalidade, com cerca de 930 alunos, distribuídos em cinco campi da USP, sendo dois deles interuniversidades. Todos seguem os mesmos critérios de avaliação e conceitos da Capes, com duração de dois anos. Os requisitos para ingresso são específicos de cada programa.

Crédito: ICMC/USP

“O mestrado profissional não é necessariamente dedicado a alguém que queira fazer pesquisa científica, mas sim para quem quer melhorar sua formação profissional, se inserir com melhor preparo no mercado de trabalho, na indústria, na área governamental, na saúde ou até mesmo como empreendedor”, explica a pró-reitora de Pós-Graduação da USP, professora Bernadette Dora Gombossy de Melo Franco.

Segundo ela, o mestrado profissional é um curso de alta qualidade voltado para profissionais que já atuam no mercado de trabalho. “Essa participação é importante porque atende às necessidades de atualização e capacitação profissional, uma demanda do mercado profissional brasileiro”, esclarece Bernadette.

De caráter público e gratuito, o mestrado profissional se diferencia do mestrado acadêmico por não ter como proposta que o aluno seja cientista e se dedique integralmente à pesquisa. Não gera obrigatoriamente tese nem dissertação, e sim inúmeras ideias que possam ser desenvolvidas no mercado de trabalho, como novos aplicativos, experimentos educacionais, projetos públicos e sociais, peças artísticas ou produtos com aplicação imediata na sua área de atuação.

Competências – Exemplo de uma iniciativa bem-sucedida nessa modalidade de ensino na USP é o Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Enfermagem na Atenção Primária em Saúde no Sistema Único de Saúde. Em seu quarto processo seletivo, o programa está com inscrições abertas a partir desta segunda-feira, dia 21, até 2 de outubro. É um curso de pós-graduação stricto sensu que visa à qualificação continuada de enfermeiros e outros profissionais da saúde, que atuam na atenção primária em saúde.

Segundo a coordenadora do programa, professora Lúcia Yasuko Izumi Nichiata, da Escola de Enfermagem da USP, o programa tem como foco contribuir para o incremento da qualificação da prática em saúde, conferindo competência para avaliação crítica e intervenção no setor da saúde para o desenvolvimento de pesquisas nessa área de atuação. Além disso, busca realizar investigações científicas no cotidiano do trabalho em saúde e propiciar o desenvolvimento de competências para exercer a liderança em instituições e na formulação de políticas de saúde. “É uma alternativa de formação no âmbito da pós-graduação da Escola de Enfermagem, que confere o título de mestre em Ciências da Saúde”, afirma Lúcia.

São 27 meses de curso, sendo o número de aulas igual ao do mestrado acadêmico, concentrado em um ou dois dias da semana, durante quase um ano. O trabalho final é na forma de dissertação, constituída por um texto descritivo sobre o tema pertinente à atenção primária em saúde, que evidencie o domínio e a articulação dos conceitos trabalhados ao longo do curso. O texto pode ser de natureza aplicada, incluindo projetos de inovação tecnológica, desenvolvimento de instrumentos e tecnologias para a atenção primária, como aplicativos e softwares; técnicas, tecnologias, instrumentos e modelos de gestão e de assistência; avaliação de políticas de saúde e programas; material didático e instrucional; patentes; manuais e protocolos de gestão e assistência.

Engenharia – O mestrado profissional mais antigo na USP é o de Engenharia Automotiva, oferecido pela Escola Politécnica desde 2000, tendo já formado 200 mestres. Segundo o coordenador do curso, professor Ronaldo de Breyne Salvagni, esse mestrado é voltado para resultados, para soluções de problemas das empresas, a fim de que obtenham mais competitividade. “Nosso objetivo é desenvolver líderes para os processos de inovação dentro da empresa”, observa.

O mestrado Profletras é um dos programas interuniversidades, que acontece em rede nacional, do qual participam em torno de 56 instituições de ensino público superior. É voltado para professores de Língua Portuguesa que atuam no ensino fundamental II da rede pública do Estado de São Paulo. Segundo Zilda Gaspar Oliveira Aquino, coordenadora do Profletras, há uma coordenação geral na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), que tem à disposição uma entidade responsável pelas inscrições, formulação e aplicação das provas nacionalmente, além da avaliação e divulgação dos resultados.

O curso tem foco em pesquisa e ensino, com o objetivo de aproximar a Universidade do ensino público, na área de Letras, tendo em vista a aplicação de teorias que na “USP desenvolvemos e que podem auxiliar na melhoria do ensino de Língua Portuguesa no Estado de São Paulo”, explica Zilda. “Os professores da rede pública, usualmente com ensino superior apenas, tornam-se pesquisadores e, desse modo, podem desempenhar suas atividades com mais conhecimento dos fenômenos linguísticos, discursivos e literários, podendo, assim, alcançar melhores resultados com seus alunos.”

O Mestrado Profissional Gestão e Organizações de Saúde acontece nas dependências do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP desde 2013. O processo de inscrição consta de uma avaliação do projeto de pesquisa, do currículo e uma prova descritiva, para avaliar a capacidade de redação e síntese.

O foco do curso, segundo o coordenador Altacílio Aparecido Nunes, é voltado para temas e práticas indispensáveis à gestão eficiente de serviços de saúde através de aulas presenciais e/ou a distância, além de uma pesquisa aplicada. Tem como objetivo formar mestres com capacidade de diagnosticar, resolver e gerenciar os problemas das organizações de saúde, públicas ou privadas.

Lávio Falcão, profissional da empresa sueca IFS, e Eslei Giacolla, diretor de Novos Negócios do Estaleiro Ventura, alunos do Mestrado Profissional em Empreendedorismo da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP, procuraram o curso para ampliar os relacionamentos, receber uma formação mais sólida e adquirir uma nova forma de pensar. “Ao desenvolver o pensamento científico, consigo emitir uma opinião mais elaborada e administrar diferentes formas de pensar”, afirma Falcão.